Federação Idígena em Ação

A ARTE COMO MEIO DE EXPRESSÃO, A CULTURA SÃO OS COSTUMES E TRADIÇÕES E OS MEIOS DE DIVERSÕES QUE CONSTRÓI VALORES HUMANOS DE UM POVO OU DE UMA NAÇÃO.

quarta-feira, 10 de junho de 2015

Abril indigena na Católica, Toré: resitencia e Cultura dos Povos indígenas do Nordeste




Alunos indígenas da Universidade Católica de Pernambuco, se reunirao juntos com outros indígenas da UFPE e outros que moram em Recife somaram forças e realizaram uma vivencia índigenas no Hall da universidade, houve danças, bebida e comida tipica,  os indios foram de varias etinias como Xukuru, Pankararu, Kapinawa,Guarani,Fulni-ô, Vejam as fotos deste encontro que aconteceu no dia 17 de Abril.
Grupo de Dança FeaHia Fulni-ô

Povos indígenas em Ação
Juruna Xukuru, Heloiza Pankararu, Klarimen e Kyalonan.

Padre Clovis experimentando a xanduka.
Família Xukuru do Ororubá.
Juruna, Kyalonã e Eloiza Pankararu.
Naiara Pankararu, Eloiza Pankararu, Klarimen eKyalonan, Luana Pankararu e o Elustre Boró Fuln-ô.


Artesanato indígena.


Padre Clovis do NEABI-UNICAP
Kyalonan xukuru e Sergio Guarani.
Luana Pankararu e Hugo Kemakuin.
Os Estudantes dançando o toré.
Grupo cultural Feahia Fulni-ô.
 
Alunos da Unicap: Ridivanio(Juruna xukuru) Letras, Hugo(kemakwin Fulni-ô) Pscologia), Raiza (Klarimen Xukuru) Direito, Luana Pankararu Fisioterapia, Sergio Guarani formado em Filosofia.
Alunos da UfPE: Valquiria( Kyalonan Xukuru)Historia, Rogerio(kakawê Fulni-o) Historia.

Convidados especias, Heleno e Eloiza Pankararu, Silvania Kapinawa, Boró e seu Grupo Cultural Feahiá Fulni-ô.
O ilustre Padre Clovis representando o Neabi, que deu apoio ao grupo com o primeiro de varios outros que haverá na Unicap.

O Combatente Bem-Te-Vi: Itaconha



PÊNIS DE PEDRA (Itaconha)

- DEDO DE DEUS -

SERRA DOS ÓRGÃOS (Ibiticonha)

Frederico Fernandes Pereira






O Combatente Bem-Te-Vi: Itaconha: PÊNIS DE PEDRA (Itaconha) - DEDO DE DEUS - SERRA DOS ÓRGÃOS (Ibiticonha) ...A “Serra dos Órgãos”, trecho da cordilheira marítima (Serra do Mar), entre os municípios de Teresópolis e Magé (hoje Guapimirim), tem tal denominação, pela sua aparente semelhança (forçada) do perfil dos seus pináculos, de diferentes alturas, que se assemelham ao órgão, instrumento musical de sopro (foles), com seus tubos sonoros de diversos tamanhos. Teima-se, sem motivo histórico-cultural justificado, salvo por pudicícia, hoje fora de moda, em manter-se tão apressada e grosseira similitude, com àquela imagem serrana.

Tem o presente estudo, o propósito de contestar tão consagrada e improcedente definição do topônimo “Serra dos Órgãos”.

No passado houve quem aventasse a hipótese do nome “Serra dos Órgãos” decorrer da forma do “Dedo de Deus”, um dos pináculos da mesma serra, por assemelhar-se, com perfeição, aos órgãos genitais do homem, incluindo o pênis ereto, com sua destacada glande e os testículos. Mas, tal hipótese não veio acompanhada de qualquer justificativa, inclusive, e principalmente, histórica. Daí, não ter sido considerada, quando aventada. No entanto, em que pese tal versão, daquela imagem topográfica, não ter ido além de uma hipótese, ela é provadamente procedente. Recorrendo à fecunda cultura indígena Tupi, identificamos um rio mageense, que nasce ao pé do “Dedo de Deus”, em sua face Leste, cujo nome Tupi é “ICONHA”, que é atravessado pela Estrada Rio – Teresópolis (BR-116); afluente, dito rio, da margem esquerda do Rio Guapiassú. “ICONHA” é um vocábulo Tupi, formado pelas raízes “i” = água ou rio e “CONHA”, que significa pênis. Assim, temos: Rio do Pênis ou rio que nasce no pênis de pedra (ITACONHA). O trecho superior do Rio Iconha, atravessado pela BR-116, é conhecido, também, como Rio Garrafão, cerca de 1.700 metros antes do Alto do Soberbo, de quem sobe a serra.

O Rio Garrafão (ou Iconha) foi teatro do famoso e pitoresco episódio histórico, que se deu quando da visita do Imperador Pedro II à Teresópolis, em janeiro de 1876, que, ao parar na travessia do dito rio, quis provar a tão decantada água do mesmo, preferindo, na ocasião, utilizar-se da folha larga do inhame, por ser mais natural. Porém, lá estava esperando a passagem do Imperador, o vendeiro português do local, o João Garrafão, que, tirando de dentro de uma caixa forrada de veludo, um fino copo de cristal cinzelado, passando-o às mãos do Imperador, rogando que seria uma honra para ele (o João Garrafão), que S. M. Imperial se servisse de tal copo. O Imperador, tolerante, atendendo a súplica espontânea e simples do João Garrafão, bebeu com vagar, no ofertado copo, elogiando a delícia dàquela água, e, querendo, em seguida, passar o copo as outras pessoas de seu séquito, interveio o João Garrafão, dizendo: “Peço perdão a V. M., neste copo ninguém mais beberá, para as demais pessoas presentes, que eu muito respeito e das quais sou servidor obediente, tenho outros copos” (Gilberto Ferrez – Colonização de Teresópolis – 1970).

Significando dizer que, o Imperador deliciou-se com o precioso líquido emanado do pênis de pedra...

O pináculo “Dedo de Deus”, é a marca identificadora da turística e amena cidade de Teresópolis, no entanto, sempre esteve situado no Município de Magé (atualmente em Guapimirim). Significando dizer, que o símbolo daquela agradável cidade, é o petro-falo mageense...

Há no Estado do Espírito Santo um município e rio com o nome de “ICONHA”. Este autor, em visita àquela região, ouvindo moradores locais, apurou, que às margens do Rio Iconha, havia uma pedra alta, na forma de um charuto – no dizer dos mesmos moradores – que foi, toda ela (dita pedra), dividida em grandes blocos, pelos mineradores de granitos decorados, para exportação. Naquela região, é intensa e ampla a exploração de citados granitos, destruindo e deformando a natureza regional. Por não ter identificado em citado município (Iconha), outra formação rochosa, de forma aguda, que pudesse assemelhar-se ao pênis, consoante a imagem metafórica dos índios primitivos, admite este autor, que o nome local (Rio e Município = Iconha), fosse inspirado em citada pedra demolida e fracionada pelos vândalos mineradores.

No “DICIONÁRIO GEOGRÁFICO DO BRASIL”, de Alfredo Moreira Pinto, de 1896, há o verbete “RIO ICONHA”, que estaria situado em Cananéia, no Estado de São Paulo. Este autor consultou diversos mapas daquele Estado, não logrando identificar referido rio dicionarizado. No Município de Jacupiranga, ao Norte de Cananéia, há um rio e um lugar com o nome de “Canha”, nome este que tem relação com erosões topográficas ou bebida alcoólica.


Na “REVISTA TRIMENSAL DO INSTITUTO HISTÓRICO GEOGRAPHICO E ETHNOGRAFICO DO BRASIL”, Tomo XLV – Parte I, de 1882, em estudo geográfico e econômico do Sul do Estado de Minas Gerais, o autor, José Franklin da Silva, ao descrever um dos ramos da “Serra da Mantiqueira”, diz à página 407: “Um outro ângulo forma a Mantiqueira em São Bento, afastado 15o do Sul do “pico dos órgãos em Itajubá”. Adiante (página 408) diz: “A Mantiqueira entre Órgãos e Itatiaia...”; nas páginas 409 a 411, registra as alturas (altitudes) dos pontos mais elevados do Sul de Minas Gerais, entre os quais, o “PICO DOS ÓRGÃOS”, com 10.950 palmos de altitude.

No TOMO XLVII, Parte II, da “REVISTA” acima citada, de 1884, foi publicado um estudo do geólogo José Franklin da Silva Massena, que trata da ossatura das montanhas que compõem o “Sistema Mantiqueira”, em Minas Gerais, inclusive a “Serra do Mar”, em São Paulo e Rio de Janeiro, à partir do “Pico do Itatiaia”. O referido estudo foi executado pelo citado geólogo em 1867. À página 273, no último parágrafo, diz o autor: “A Serra dos Mairinks, DANDO ORIGEM AO PICO DE FÓRMA DE UM ÓRGÃO...” (grifo nosso). Observe-se, trata-se de um só pico isolado, sem outros pináculos, como os “Órgãos” de Teresópolis.

No Estado de São Paulo, no Município de Bofete, ao Sul do Município de Botucatu, há o “Morro dos Órgãos” e “Ribeirão dos Órgãos”. Tais topônimos justificam-se, por lá existirem pináculos que lembram os órgãos genitais masculinos, em ereção, conforme a visão dos índios, à exemplo dos “ÓRGÃOS” de Teresópolis.

Na rica e reveladora obra “NOTÍCIA DO BRASIL”, de Gabriel Soares de Sousa, minuciosa autópsia do Brasil, dos primeiros quartéis da sua Era Colonial, editada em 1587, cujo autor foi considerado pelo mestre Capistrano de Abreu, “como a enciclopédia viva do nosso século XVI” (Os Caminhos Antigos e o Povoamento do Brasil), em seu Capítulo XXXIII, há a notícia de uma expedição dos bandeirantes baianos, chefiada por Sebastião Fernandes Tourinho, que era aparentado com o Capitão-Mor da Capitania de Porto Seguro, que, internou-se nos atuais territórios baianos e mineiros, tendo chegado (dita expedição) a um ponto do qual, teriam avistado a “Serra dos Órgãos do Rio de Janeiro”. Referida notícia foi posta em dúvida pelo Capistrano de Abreu, isto é, de terem aludidos bandeirantes baianos, avistado àquela serra fluminense. O propósito deste episódio histórico, foi mostrar a antiguidade toponímica da expressão “Serra dos Órgãos”.

Os índios antigos, com seus hábitos e vivência de seres permanentemente pelados, do nascimento à morte; homens, mulheres, crianças, jovens e velhos; todos expostos nus, na convivência familiar e social. Em todas as posturas: em pé, sentado, acocorado, deitado em qualquer posição do corpo. Suas partes pudendas à mostra, à todo momento, com seus detalhes anatômicos. Com semelhante cenário social, explica-se o que escreveu o padre José de Anchieta, em carta de maio de 1560 (“Informações, Fragmentos Históricos e Sermões”- Págs. 115/16 – Editora Itatiaia), informando sobre costumes dos índios, “.... pois os Brasis não costumam usar de rodeio algum de palavras, para explicar as cousas que .... são ditas sem ofensa alguma: pelo contrário, pronunciam claramente, sem nenhum vexame, as palavras que significam os órgãos secretos de um e outro sexo, a cohabitação e outras da mesma natureza”.

Pela mesma razão, da visão constante dos seus corpos nus, por analogia de forma, muitos aspectos de coisas da natureza, despertavam a atenção dos índios, que, por visão metafórica, segundo a original classificação dos topônimos, estabelecida pelo sábio brasileiro do passado, Everardo Adolpho Backheuser (Va Reunião Anual da Associação dos Geógrafos Brasileiros), denominavam (os índios) tais coisas da natureza, repita-se, por suas semelhanças com seus órgãos genitais e corpóreos. Tomemos alguns exemplos. No Estado da Paraíba há a conhecida e famosa Praia de Tambaú. Trata-se de palavra Tupi, formada por duas raízes vocabulares: “tamba” = vagina e “una” = coisa preta ou escura. Significando: vagina preta ou escura. Isto porque, havia ou há, ainda, no barranco (falésia) da terra alta junto à referida praia, alguma fenda estreita, que vista do mar, assemelha-se a uma vagina depilada, com seus grandes lábios, como era de uso pelas índias, no dizer do Pero Vaz de Caminha, em sua carta ao Rei D. Manoel I. Um segundo exemplo. Há uma espécie de vespa (marimbondo), que tem o nome de “Tambacaba”, também vocábulo Tupi, formado pelas raízes “tamba” (vagina) e “caba” = nome genérico Tupi dos marimbondos. Referida denominação, decorre, na visão do índio, da semelhança que a entrada do ninho ou casa da dita vespa, tem, perfeitamente com a vagina depilada das índias. Em terceiro exemplo, temos outra espécie de marimbondo, de nome Tupi “Tapiácaba”, igualmente constituído de duas raízes vocabulares: “tapia” = testículos, escrôto e “caba” = marimbondo. Assim foi denominada dita vespa, pela semelhança que seu ninho tem com o escrôto humano. Vamos a outro exemplo. A RIHGB, TOMO 104, de 1929, publicou a obra do Conde Ermano Stradelli “Vocabulários Portuguez-Nheengatú X Nheengatú-Portuguez”, que, na página 655, registra o nome do marimbondo (vespa) “Tacunha-cáua”. “Cáua” é prosódia do Tupi amazônico, o mesmo que “caba” (vespa). “Tacunha-cáua”, é uma casta de marimbondo, cujo ninho (casa), assemelha-se ao membro viril do homem, segundo referida obra do citado Conde.

Como se sabe, quando da formação da primeira cidade do Brasil, São Vicente (SP), pelo fidalgo português Martim Afonso de Souza, foi ele, muito favorecido, sem luta com os índios locais, pela presença ali, há muitos anos, do português João Ramalho, que tinha como mulher, uma filha do poderoso Tuchauá (Cacique) “Tebiriçá”, que dominava a região, inclusive o planalto (Piratininga). Pois bem, “Tebiriçá” é um apelido (nome) Tupi, formado por dois substantivos: “Tebi” = bunda e “Içá” = tanajura, que é a fêmea da formiga saúba (saúva), com seu gordo abdome, túmido de ovos fecundados, para a formação de outro formigueiro. Significando dizer, que, o grande e temido cacique era dotado de destacada bunda gorda. Daí o nome que recebeu, na forma daquela visão libertina e metafórica dos índios antigos. Resumindo, o poderoso cacique paulista, tinha o nome de “BUNDA GORDA”.

Apesar da convivência que os índios passaram a ter com os brancos, observando e assimilando os hábitos e costumes dos mesmos, isto não foi o bastante para fazê-los esquecer suas próprias visões e interpretações das manifestações culturais e novidades trazidas pelos civilizados. Por isso que, os índios, freqüentando e observando as igrejas católicas, erguidas pelos colonos conquistadores, traduzindo suas expressões licenciosas, deram ao badalo dos sinos de ditas igrejas, o nome de “Tamaracá-raconha” (no segundo termo, o “R” tem pronúncia branda – lingual-dental – segundo a prosódia Tupi), como vemos no TOMO LIV da RIHGB – Parte I – “Poranduba Maranhense” – Pág. 267, de frei Francisco de N. S. dos Prazeres. Isto é, àquela permanente sem cerimônia com seus corpos nus, sugestionaram os índios a compararem o badalo do sino, com seus pênis intumescidos.

À propósito, isto é, para mais realçar as impressões e definições dos índios sobre coisas e pessoas, lembremos de um apodo sobre certas pessoas, que sempre causou curiosidade. Como se sabe, em todo o vasto território brasileiro, em todos os tempos, o homossexual masculino recebe a alcunha de veado; denominação que sempre despertou curiosidade quanto à sua origem. Pois bem, foi o índio o autor de aludida alcunha, que foi adotada pelos colonizadores. O veado, o ruminante, ao caminhar, cruza as patas traseiras, provocando o rebolado de suas ancas. O índio, arguto e calmo observador, com àquela sua natural e indiscreta visão licenciosa, viu semelhança do andar do homossexual, com o caminhar rebolativo do veado. Daí, nasceu a alcunha “abá-soó”, que se traduz por: “aba” = homem e “soó” = veado, isto é, o homem que rebola como o veado. O padre jesuíta A. Lemos Barbosa, em sua original e fecunda gramática “CURSO DE TUPI ANTIGO”, de 1956 (2a tiragem), nas Lições 23a e 60a, páginas 142 e 401, respectivamente, limita-se em traduzir o substantivo aposto “abá-soó”, como “homem-bicho”. Assim faz, no entanto, como exemplo gramatical do substantivo aposto, que modifica outro substantivo, como “complemento atributivo”. Vê-se, sem dificuldade, que o citado gramático, tergiversou, premido pelo seu arraigado pudor, postura própria dos jesuítas, evitando definir a razão da alcunha ao índio homossexual.

O nome “Serra dos Órgãos” e seus derivados, em diversas regiões brasileiras, como aqui comentamos, para designarem àqueles pináculos de pedra, que despertavam nos índios visões e imagens sexuais ou eróticas, traduzem a envergonhada repugnância dos antigos cronistas do Brasil, principalmente os jesuítas, por suas costumeiras posturas pudicas, como dissemos no início deste estudo. Daí, ditos cronistas históricos, optarem pela expressão “Órgãos”, como substituição dos nomes libertinos Tupis.


Frederico Fernandes Pereira



Artigo publicado no jornal “Correio da Lavoura” em 4 de junho de 2011.
fonte:http://fredericofernandespereira.blogspot.com.br/